A Teta Assustada

.
.
Este filme peruano, vencedor do Urso de Ouro de Melhor Filme em Berlim é um caso raro na cinematografia peruana, já que o país não tem tradição. Mas se você pensa que trata-se de um filme cômico ou esquisito, engana-se imensamente.
A Teta Assustada é um filme delicado, que fala sobre a doença homônima. Os índios creem que é trasmitida de mãe para filhos, através do leite materno, quando a gravidez é fruto de algum transtorno ou ato violento.
Fausta, fruto desse tipo de gestação, cresceu com medo de tudo e de todos, sempre arredia e com olhar cabisbaixo. Para se proteger dos maus tratos que a mãe sofreu, implanta uma batata na vagina.
Sua mãe morre e ela quer dar-lhe um enterro decente, ao invés de enterrá-la no quintal de casa, como sugere o seu tio.
Como Fausta não tem dinheiro, embalsama a mãe e sai à procura de emprego. Consegue um, na casa de uma senhora pianista.
O filme inicia-se com a mãe, já no leito de morte, cantando o estupro que sofreu, durante uma ação do grupo guerrilheiro comunista Sendero Luminoso, no Peru da década de 80. O ritmo é lento e os enquadramentos são chapados, com raros momentos de movimentação de câmera, o que explicita a intenção da diretora Claudia Llosa, de manter um certo distanciamento da protagonista. São enquadramentos duros, mas muito bonitos.
Senti um certa influência dos filmes iranianos, tanto na concepção estilística (árida, lenta e realista) quanto no desenvolvimento do roteiro, que parte de uma ideia simples, mas bastante original e cheia de simbolismo, poesia e delicadeza.
A protagonista é seca, mas percebemos o quanto ela sofre por não ser de fácil socialização, mas não perde a coragem nem desanima diante das atrocidades que a vida lhe reserva. Ela extravasa cantando suas lamúrias, que permeiam as melodias que inventa e que saem da sua boca de forma bela e natural. Mérito da atriz Magaly Solier, bela peruana, de traços exóticos que ganhou o kikito de melhor atriz, em Gramado.
Ouvi alguns comentários preconceituosos do tipo: “eu é que não vou assistir um filme com esse título bizarro, eca!”. Não se assustem com o título. Assistam o filme e garanto que farão um programa de muito bom gosto.
Drama, 95 min. Baixe esse filme.
.
.

Tags:, , ,

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: