Arquivo | geral RSS for this section

Fim da Semana Clint Eastwood e resultado da enquete

.

A Semana Clint Eastwood e a nossa homenagem aos 80 anos desse fantástico diretor, chegou ao final. Fizemos uma enquete, que ficou na coluna da esquerda do blog, perguntando qual filme preferido de Clint. O resultado foi: Menina de Ouro 35% – Sobre Meninos e Lobos e Gran Torino 18% – As Pontes de Madison 12% e Outros 18%. Entre os filmes citados na opção Outros estão Invictus, Coração de Caçador e Um Mundo Perfeito. Os comentários e críticas dos sete filmes ficam no arquivo juntamente com os links para baixar. Na minha opinião ainda faltou Bird (cinebiografia sobre uma das paixões de Clint, o jazz) e Os Imperdoáveis (faroeste), dois gêneros não presentes entre os filmes da semana. Espero que tenham gostado.

.

As pipocas!

.

A partir de hoje as pipocas serão melhores e diversificadamente comentadas. 😉

Os 100 melhores filmes do cinema mundial

(transcrito da Monet)

O site da revista britânica Empire divulgou esta semana sua lista com os 100 melhores filmes do cinema mundial. Em primeiro lugar, o japonês “Os Sete Samurais” (1954), dirigido por Akira Kurosawa. Em sétimo, o brasileiro “Cidade de Deus” (2002), de Fernando Meirelles. Não participam do ranking produções da Grã-Bretanha nem dos EUA.
Sobre por que “Cidade de Deus” merece estar entre os dez mais, o site afirma: “O retrato corajoso do lado sombrio da vida nas favelas do Rio de Janeiro chamou a atenção de todos, mas é a incrível naturalidade das atuações do grande e inexperiente elenco jovem que fez o filme ir além e deixou claro que este não é mais um festival de miséria.”
A única outra obra brasileira que figura na lista é “Central do Brasil” (1998), dirigida por Walter Salles — coproduzida em pareceria com a França. Ficou em 57º.
Em 2008, “Cidade de Deus” havia aparecido em 177º lugar no ranking da Empire de 500 melhores filmes de todos os tempos, que inclui produções britânicas e americanas.
Será que só a falta de concorrência internacional foi responsável pela subida de 170 postos nessa nova lista? Ou o peso político que o Brasil vem ganhando no cenário global recentemente também influenciou a mudança?
.
Você pode conferir a lista completa clicando aqui ou na relação abaixo. (Lembre-se: só entraram nesse ranking filmes que não são do Reino Unido nem dos EUA).
.
01. Os Sete Samurais (Akira Kurosawa, 1954, Japão)
02. O Fabuloso Destino de Amelie Poulain (Jean-Pierre Jeunet, 2000, França)
03. Encouraçado Potemkin (Sergei Eisenstein, 1925, Rússia)
04. Ladrões de Bicicleta (Vittorio de Sica, 1948, Itália)
05. O Labirinto do Fauno (Guillermo del Toro, 2006, Espanha)
06. A Batalha de Argel (Gillo Pontecorvo, 1966, França)
07. Cidade de Deus (Fernando Meirelles, 2002, Brasil)
08. O Sétimo Selo (Ingmar Bergman, 1957, Suécia)
09. O Salário do Medo (Henri-Georges Clouzot, 1953, França)
10. A Viagem de Chihiro (Hayao Miyazaki, 2001, Japão)
11. A Doce Vida (Federico Fellini, 1960, Itália)
12. Metrópolis (Fritz Lang, 1927, Alemanha)
13. A Regra do Jogo (Jean Renoir, 1939, França)
14. A Liberdade é Azul/A Igualdade é Branca/A Fraternidade é Vermelha (Krzysztof Kieslowski, 1993/1994, Polônia)
15. Deixe Ela Entrar (Tomas Alfredson, 2008, Suécia)
16. Era Uma Vez em Tóquio (Yasujiro Ozu, 1953, Japão)
17. A Canção da Estrada/O Invencível/O Mundo de Apu (Satyajit Ray, 1955/1956/1959, Índia)
18. Oldboy (Park Chan-wook, 2003, Coreia do Sul)
19. Aguirre – A Cólera dos Deuses (Werner Herzog, 1972, Alemanha)
20. E Sua Mãe Também (Alfonso Cuarón, 2001, México)
21. Nosferatu (F.W. Murnau, 1922, Alemanha)
22. Rashomon (Akira Kurosawa, 1950, Japão)
23. O Espírito da Colméia (Victor Erice, 1973, Espanha)
24. Vá e Veja (Elem Klimov, 1985, Rússia)
25. O Barco – Inferno no Mar (Wolfgang Petersen, 1980, Alemanha)
26. A Bela e a Fera (Jean Cocteau, 1946, França)
27. Cinema Paradiso (Giuseppe Tornatore, 1988, Itália)
28. Lanternas Vermelhas (Zhang Yimou, 1991, China)
29. Os Incompreendidos (François Truffaut, 1959, França)
30. Conflitos Internos (Alan Mak e Lau Wai-keung, 2002, Hong Kong)
31. Godzilla (Ishiro Honda, 1954, Japão)
32. O Ódio (Mathieu Kassovitz, 1995, França)
33. M – O Vampiro de Dusseldorf (Fritz Lang, 1931, Alemanha)
34. Valsa com Bashir (Ari Folman, 2008, Israel)
35. A Grande Ilusão (Jean Renoir, 1937, França)
36. Decálogo (Krzysztof Kieslowski, 1988, Polônia)
37. Roma Cidade Aberta (Roberto Rossellini, 1945, Itália)
38. Cinzas e Diamantes (Andrzej Wajda, 1958, Polônia)
39. O Samurai (Jean-Pierre Melville, 1967, França)
40. A Aventura (Michelangelo Antonioni, 1960, Itália)
41. Meu Vizinho Totoro (Hayao Miyazaki, 1988, Japão)
42. Amor à Flor da Pele (Wong Kar-wai, 2000, Hong Kong)
43. Cyrano de Bergerac (Jean-Paul Rappeneau, 1990, França)
44. Viver (Akira Kurosawa, 1952, Japão)
45. Suspiria (Dario Argento, 1977, Itália)
46. Jules e Jim – Uma Mulher Para Dois (François Truffaut, 1962, França)
47. Dez (Abbas Kiarostami, 2002, Irã)
48. A Queda – As Últimas Horas de Hitler (Oliver Hirschbiegel, 2004, Alemanha)
49. As Férias do Sr. Hulot (Jacques Tati, 1953, França)
50. Trens Estritamente Vigiados (Jiri Menzel, 1966, Tchecoslováquia)
51. Akira (Katsuhiro Otomo, 1988, Japão)
52. Touki Bouki (Djibril Diop Mambéty, 1973, Senegal)
53. Tudo Sobre Minha Mãe (Pedro Almodóvar, 1999, Espanha)
54. Festa de Família (Thomas Vinterberg, 1998, Dinamarca)
55. Lagaan – Era Uma Vez na Índia (Ashutosh Gowariker, 2001, Índia)
56. A Bela da Tarde (Luis Buñuel, 1967, França)
57. Central do Brasil (Walter Salles, 1998, Brasil)
58. Persépolis (Vincent Paronnaud e Marjane Satrapi, 2007, Irã)
59. Heimat (Edgar Reitz, 1985, Alemanha)
60. Jean de Florette/A Vingança de Manon (Claude Berri, 1986, França)
61. Faca na Água (Roman Polanski, 1962, Polônia)
62. Oito e Meio (Federico Fellini, 1963, Itália)
63. O Profeta (Jacques Audiard, 2009, França)
64. Asas do Desejo (Wim Wenders, 1987, Alemanha)
65. Um Cão Andaluz (Luis Buñuel, 1929, Espanha)
66. O Tigre e o Dragão (Ang Lee, 2000, China)
67. O Silêncio do Lago (George Sluizer, 1988, Holanda)
68. Solaris (Andrei Tarkovski, 1972, Rússia)
69. O Chamado (Hideo Nakata, 1998, Japão)
70. Fervura Máxima (John Woo, 1992, Hong Kong)
71. Persona (Ingmar Bergman, 1966, Suécia)
72. Dez Canoas (Rolf de Heer e Peter Djigirr, 2006, Austrália)
73. Caché (Michael Haneke, 2005, Áustria)
74. Devdas (Sanjay Leela Bhansali, 2002, Índia)
75. Acossado (Jean-Luc Godard, 1960, França)
76. Os Idiotas (Lars Von Trier, 1998, Dinamarca)
77. O Clã das Adagas Voadoras (Zhang Yimou, 2004, China)
78. Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos (Pedro Almodóvar, 1988, Espanha)
79. Bande à Part (Jean-Luc Godard, 1964, França)
80. Mãe Índia (Mehboob Khan, 1957, Índia)
81. O Hospedeiro (Bong Joon-Ho, 2006, Coreia do Sul)
82. Batalha Real (Kinji Fukasaku, 2000, Japão)
83. Xala (Ousmane Sembene, 1974, Senegal)
84. Orfeu (Jean Cocteau, 1950, França)
85. O Conformista (Bernardo Bertolucci, 1970, Itália)
86. Corra Lola Corra (Tom Tykwer, 1998, Alemanha)
87. Andrei Rublev (Andrei Tarkovski, 1966, Rússia)
88. Leningrad Cowboys (Aki Kaurismaki, 1989, Finlândia)
89. Os Amores de uma Loira (Milos Forman, 1965, Tchecoslováquia)
90. Rififi (Jules Dassin, 1955, França)
91. Adeus Lenin (Wolfgang Becker, 2003, Alemanha)
92. O Fantasma do Futuro (Mamoru Oshii, 1995, Japão)
93. O Quarto Homem (Paul Verhoeven, 1983, Holanda)
94. Yeelen – A Luz (Souleymane Cissé, 1987, Mali)
95. O Vôo do Dragão (Bruce Lee, 1972, Hong Kong)
96. Delicatessen (Jean-Pierre Jeunet e Marc Caro, 1991, França)
97. Adeus Minha Concubina (Chen Kaige, 1993, China)
98. Ran (Akira Kurosawa, 1985, Japão)
99. Iron Monkey (Yuen Woo-Ping, 1993, China)
100. Guardiões da Noite (Timur Bekmambetov, 2004, Rússia)
.
Surrupiado do blog oCinematographo, de Ana Paula Penkala,  porque eu não leio a Monet.

No início, apenas milho…

Este espaço é sobre cinema. Tudo sobre cinema. Ou melhor dizendo, todo sobre cinema. Resenhas, comentários, críticas, links para downloads, trailers, fotos, notícias de lançamentos, diretores, atores, festivais e tudo mais que possa incentivar as pessoas a consumirem cinema, seja na sala escura diante da telona, na tevê em casa, no computador ou na telinha do celular.
Espaço aberto para quem gosta de escrever sobre a sétima arte e quiser dividir conosco e nossos leitores suas impressões e comentários. Enquanto os demais comentaristas, críticos e resenhistas não se apresentam, fiquem com os textos meus, Niara de Oliveira, e do Maurício Alves.
Divirtam-se na nossa casa e deixem seus comentários, positivos ou negativos, sobre o nosso trabalho e conteúdo do Pipoca Comentada.